Barata Cichetto: Poeta, Escritor, Webdesigner, Editor
Todos os Textos Publicados Têm Direitos Autorais Registrados no E.D.A.
Reprodução Proibida!

sábado, junho 30, 2012

Esqueci o Nome do Poema


Na última Segunda-Feira, dia 25, completei 54 anos. Tirando pequenos problemas de saúde (não vou a médicos nem fodendo, porque esses pequenos podem se transformar em grandes), e o fato de fumar duas carteiras de Marlboro por dia, estou criando mais que nunca, e com tantos planos para o futuro, que acredito que poderei viver mais 54 anos para colocá-los em prática. Mas o que sinto, e sinto muito mesmo (por eles) é que querem que eu esteja em um lugar que não quero e não vou estar. Outro dia li uma frase da qual não guardei o autor - nunca lembro os autores, mas nunca esqueço frases que expressam pensamentos importantes. E essa frase era uma pergunta mais ou menos assim: qual seria sua idade caso não soubesse quantos anos tem de vida?. Então, o poema que acabei de escrever, tenta responder, a mim mesmo e a quem mais se interessar, a tal pergunta

---------------------------------------------------------------------------------------

Esqueci o Nome do Poema
Luiz Carlos Barata Cichetto

Ah, eu queria tanto é pegar em tintas e pintar telas e a parede
Cuidar dos gatos, jogar dominó, deitar as minhas costas na rede
Ah, estou mesmo um tanto cansado e outro tanto um tanto tonto
Cuidar de netos, beijar desafetos, mas a tanto não estou pronto.

Querem-me de pijama listado coçando o saco, sentado na praça
Caçando sol, contando dinheiro e dias que faltam até a desgraça
A mim querem quase morto e aposentado, a gorda conta no banco
Com o orgulho de ter estudado aos filhos, agora trajados de branco.

Mas eu não quero a companhia de outros abandonados á esmo
Contando histórias, falando dos netos, dos filhos ou de si mesmo
O consolo da tranquilidade, olhos pregados num passado sem volta
Longe das lides que apenas aos moços é reservada, a pura revolta.

Mas ainda quero jogar merda em sua parede e bosta no ventilador
Ficar longe das salas dos médicos, dos remédios e do desfibrilador
E não espere de mim o conformismo que a modernidade lhe oferece
Pois eu morro esperneando, porque nada é aquilo que se lhe parece.

30/06/2012

N.do A. - "Qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos você tem?"
Confúcio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeite o Direito do Autor e Não Esqueça de Deixar um Comentário. É Importante o Retorno, o Sentimento do Leitor.