Barata Cichetto: Poeta, Escritor, Webdesigner, Editor
Todos os Textos Publicados Têm Direitos Autorais Registrados no E.D.A.
Reprodução Proibida!

quarta-feira, agosto 01, 2012

Sobre os Porcontos ou “A Vida Como Ela Foi”


Sobre os Porcontos ou “A Vida Como Ela Foi”

Escrito em dois dias, entre 14 e 15 de Maio de 2012, “A Vida Como Ela Foi!”, que tem como subtítulo “Porcontos”, foi um desafio proposto a mim mesmo, em escrever pequenos contos. Estabeleci o limite em 5 linhas digitadas em fonte tamanho 13, e dividi em 5 temas básicos que teriam 10 mini-contos cada. Para o titulo, decidi por “A Vida Como Ele Foi”, usando de parte do titulo de uma série do escritor Nelson Rodrigues, ”A Vida Como Ela É.”. A troca de “É”, por “Foi”, se deveu ao tema recorrente: a Morte.

Os “Porcontos” (porcos contos) de “A Vida Como Ela Foi!” são também uma homenagem ao centenário de nascimento desse grande escritor, em cuja biografia consta o fato de ter sido estuprado por duas vezes e depois preso por estupro. Era filho de um renomado jornalista, profissão também seguida por ele e é considerado um dos maiores dramaturgos brasileiros. Entre suas obras estão “A Falecida”, “Vestido de Noiva” e outras tantas, como “Meu Destino é Pecar”, este assinado com o pseudônimo de Susana Flag.

São por fim, 50 contos escritos à maneira dos textos jornalísticos dos jornais sensacionalistas, como um que, em São Paulo, alcançava tiragens espantosas e, ao contrário da maioria, sobrevivia da venda em bancas. Esse jornal, extinto em 2001 também exibia em sua capa fotos de mulheres seminuas e foi uma de minhas primeiras referências de leitura, pois meu pai o lia diariamente. Portanto, a memória de Nelson Rodrigues e aos jornalistas que fizeram o jornal Noticias Populares, dedico este trabalho

Luiz Carlos “Barata” Cichetto
São Paulo, 15 de Maio de 2012
----------------------------------------------
Quem Estiver Interessado em Comprar: http://abarata.com.br/livros.asp?secao=L&registro=7
----------------------------------------------

Uma Amostra do Livro:
"Melancholy Angel" 1997
Copyright of Sharon Kalstek, 1997
Anjo Caído


Um anjo caiu do céu em dia de tempestade, no quintal da igreja. O padre o escondeu na sacristia e diariamente o visitava obrigando-o a fazer-lhe sexo oral. Até que suas asas se curaram e ele voou para longe dali, em direção ao Inferno, deixando atrás de si, sobre o corpo inerte do padre, uma pena branca caída.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeite o Direito do Autor e Não Esqueça de Deixar um Comentário. É Importante o Retorno, o Sentimento do Leitor.