Barata Cichetto: Poeta, Escritor, Webdesigner, Editor
Todos os Textos Publicados Têm Direitos Autorais Registrados no E.D.A.
Reprodução Proibida!

domingo, novembro 11, 2012

Manifesto Pessoal Antropofágico

Manifesto Pessoal Antropofágico
Barata Cichetto

Comam dos poemas que lhes entrego em belos pratos suculentos
Minha poesia não é comida mas a tenham feito lautos alimentos
Deixe o resto da comida aos porcos pois a conta ninguém lhe cobra
O que lhe farta a outro falta e minha janta do seu almoço é a sobra.

Apanhem cutelos, bocas e outros alimentares instrumentos
E retalhem a melhor parte da minha poesia de tormentos.
Comam da minha poesia num nefasto banquete trágico
Alimento podre consagrado em um altar antropofágico.

Minha cabeça em uma bandeja e uma porção em seus lábios
Comam agora minha poesia indigesta e brindem aos sábios
Entrem no restaurante e comam poesia temperada com solidão
Transformada em carniça, a poesia é dos vermes da podridão.

Ao mendigo um poema entrego e comida seus olhos imploram
O feijão, o pão e o circo são as marcas daqueles que lhe adoram
Ah a poesia, ela é feita com dentes, soluços e abraços
Ela morde meu pescoço e depois cai nos meus braços.

Toda comida que comemos é apenas matéria morta
Apodrecendo o sangue e entupindo a artéria aorta.
Porque é da morte alheia que nós nos alimentamos
E na nossa própria morte em nós nos manietamos.

Não vomitem em meu tapete, não cuspam em meu prato
Estamos mesmo todos mortos, então façamos um trato
Tratem a mim com a indiferença das espécies silenciosas
Eu não lhes mordo e nem cuspo em suas vestes graciosas.

(Do Livro: "Cohena Vive!" 2012 - Registrado Sob Nº. 562.916- 1.073- 473)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeite o Direito do Autor e Não Esqueça de Deixar um Comentário. É Importante o Retorno, o Sentimento do Leitor.