Barata Cichetto: Poeta, Escritor, Webdesigner, Editor
Todos os Textos Publicados Têm Direitos Autorais Registrados no E.D.A.
Reprodução Proibida!

quinta-feira, junho 06, 2013

Poetastro (ou A Batalha Final)

Poetastro (*) ou A Batalha Final
(*Mau poeta)
Barata Cichetto


Chega agora a mim um Poema, feito um fugitivo
E arrombando a porta da minha cabeça, furtivo
Amedrontado ainda, senta-se e comigo conversa
Embora ainda desconheça sobre o que ele versa.

Assustado feito criança fugindo de marimbondos
Ou um criminoso que cometeu crimes hediondos
Busca o Poema um refúgio em mim, cúmplice fiel
Feito uma mãe que não escorraça um filho cruel.

E desde quando chegou a mim o temido malfeitor
Tremendo nas carnes feito um escravo a seu feitor
Que deixei de ser o justo para tornar-me justiceiro
Deixei de ser carne viva e tornei-me um carniceiro.

E somos dois ali, um com o outro sentindo temor
Embora nos tratemos com respeito e bom humor
Mas feito dupla de garotos a porta do colégio
Silenciamos na cumplicidade desse sortilégio.

Feito bárbaro sanguinário com as roupas sujas
Chega o guerrilheiro e começamos as intrujas
E conhecendo um do outro o poder da artilharia
Sangramos em batalha por mera quinquilharia.

Não há espadas, nem escudos ou armas de fogo
Porque nesta batalha a vida não é parte do jogo
Mas como nas guerras, morrem muitos e poucos
Nos matamos feito aos soldados, crentes e loucos.

A minha mente é um campo de batalha invisível
Então travamos a guerra por território indivisível
E um quanto o outro temos da guerra a estratégia
Comandando exércitos bem armados com egrégia.

Em meio a tantas batalhas nenhuma chance à paz
E entre eu e o Poema, apenas um à vida será capaz
Pois ao tomarmos um do outro o inimigo território
Acabamos mortos sentados na mesa do escritório.

30/05/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeite o Direito do Autor e Não Esqueça de Deixar um Comentário. É Importante o Retorno, o Sentimento do Leitor.