Barata Cichetto: Poeta, Escritor, Webdesigner, Editor
Todos os Textos Publicados Têm Direitos Autorais Registrados no E.D.A.
Reprodução Proibida!

quarta-feira, março 09, 2016

A Esperança é Um Cão Fiel

A Esperança é Um Cão Fiel
Luiz Carlos Cichetto

"Não somos nossas experiências. apenas temos experiências." - Raul RC

"Negona" é uma cadela enorme que foi abandonada e espancada por seu antigo "dono" numa ponte sobre um córrego em frente a padaria onde compro meu pão de manhã e tomo minhas doses de Cynar a noite, Ela é minha companheira nas noites em que espero ônibus que não trazem ninguém. Ela se deita ao meu lado, levanta os olhos e olha sempre em direção ao mesmo lugar: a ponte sobre o córrego ao lado, onde contam foi abandonada e espancada. Olhamos em direções diferentes, mas temos muito em comum em nossas histórias. Eu fico me perguntando por que alguém abandonaria e ainda espancaria um ser desses.. Teria ela mordido seu antigo "dono"? Mas, mesmo sendo isso, qual o motivo de ter feito isso?. Mas o fato é que "ele" não a suportou, e além de abandonar a espancou até aleijar. Talvez ela pense que um dia o carro que a deixou ali pare e quem a abandonou abra as portas e um sorriso e a recolha nos braços e a leve para casa. A fidelidade nos animais é algo que a humanidade perdeu, até virarmos seres mesquinhos e egoístas, capazes de abandonar aqueles que nos amam de fato. Provavelmente a "Negona" latia no quintal espantando estranhos, e abanava o rabo de felicidade em ver chegar seu "dono". Mas um dia, talvez por algum motivo, ela possa tê-lo descontentado, até mordido. Quem sabe enlouquecida por barulho de fogos... Mas aquele ser, movido por uma loucura inóspita, simplesmente a abandonou. E não contente em abandonar, a espancou para que ela nunca mais mordesse ninguém. E fico pensando, se acaso o ex "dono" da "Negona" sente remorsos ou saudades dela. Se sente falta. Possivelmente não, pois quem ama não abandona, não despreza, não trai. É possível que ele pense que não tinha outro jeito se não a de a abandonar, afinal ela o mordera, e poderia fazê-lo de novo. Ele nunca pensou na razão daquela mordida, nunca pensou que aquilo poderia ser o reflexo de seus próprios atos. Uma reação, uma forma de chamar sua atenção, Ou até mesmo de lhe pedir carinho. Mas, agora ela fica ali, andando de um lado para o outro, latindo e correndo atrás de cada carro que passa, fiel a esperança de que um dia algum possa parar.. Mas, "Negona" é uma cadela velha e manca, e decerto suas esperanças um dia chegarão ao fim sem que o tão esperado carro pare. Quero dizer a ela que não espere, quero que se erga e ande. Mas ela apenas ergue um dos olhos e se deita, como quem me dizendo "esperarei". E sei que ela esperará, sim. Até o fim da vida, talvez atropelada por algum outro carro.

09/03/2016 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeite o Direito do Autor e Não Esqueça de Deixar um Comentário. É Importante o Retorno, o Sentimento do Leitor.