Barata Cichetto: Poeta, Escritor, Webdesigner, Editor
Todos os Textos Publicados Têm Direitos Autorais Registrados no E.D.A.
Reprodução Proibida!

quarta-feira, setembro 28, 2016

Viagem

Há meia hora parado em frente à tela do Facebook, em um perfil, pensando sobre o que escrever. Pensei em falar sobre as lembranças de 33 anos atrás, sobre como foi escolhido seu nome, sobre fraldas, sobre os primeiros livros dados, sobre passeios, conversas e castigos. Sobre o quanto tu era um perna de pau no futebol, sobre tanta coisa que nem sei se lembras mais. Ou se quer lembrar. Afinal, meu tempo passou. E de fato, fazer aniversários é a cada ano mais doloroso. Fiquei aqui olhando e tentando escrever, mas qualquer coisa poderia escorrer para a vala comum do descrédito, do desmérito e da ... Alguma coisa que esqueci... Mas era preciso. Sim, era preciso escrever. A mim sempre é preciso escrever. Nunca fico sem palavras, mesmo que elas não seja o que as pessoas gostariam de ler ou de escutar. Se não existem verdades absolutas, nem a minha, frase que eu lhe repeti durante muitos anos, também não existem mentiras absolutas. No dicionários constam a palavra inverdade, mas não "inmentiras". Ah, sim, pensei em escrever simplesmente "feliz aniversário, filho", mas não sei se o uso dessa palavra seria bem recebida. Mas, enfim, a coragem é fruto do medo. E nem sempre a verdade é fruto dos fatos. Há argumentos contra os fatos, sim. Basta retirar o espelho do armário onde o escondeu. Basta cortar uma veia. Pelo fruto nem sempre se conhece uma árvore, basta olhar a uma jabuticaba sem nunca ter visto sua árvore. Ou uma abóbora. Diante, porém, de determinadas crenças, pés de jabuticaba devem ser capazes de produzir melancias. A natureza, mesmo a humana não comete falhas. As falhas estão todas em nós. É... eu pensei nas formas e nos métodos, em mensagens cifradas, até mesmo em colocá-las numa garrafa e soltar no rio. Mas os rios estão podres. Cheios de dejetos humanos. Humanos dejetos. Nojentos. Carta? Telegrama? Ligação? Não... Deixo o bote parado no meio do nada, num mar de intranquilidade, com o horizonte negro anunciando tempestade. A idade nos faz cada dia mais tolos e medrosos. Temerosos do nada. Mas, enfim, não tenhas medo do espelho. Nem do sangue.

Luiz Carlos Giraçol Cichetto, ou simplesmente "Barata", aos 26 de Setembro de 1983, depois de uma viagem no tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeite o Direito do Autor e Não Esqueça de Deixar um Comentário. É Importante o Retorno, o Sentimento do Leitor.