Barata Cichetto: Poeta, Escritor, Webdesigner, Editor
Todos os Textos Publicados Têm Direitos Autorais Registrados no E.D.A.
Reprodução Proibida!

sexta-feira, outubro 07, 2016

Prefácio do Ultimo Livro de Poesia da Terra


Prefácio do Ultimo Livro de Poesia da Terra
Barata Cichetto
Direitos Autorais Reservados - Reprodução Proibida

Até minhas gatas sentem o meu infame pesar
E se não choram - que gatos não saber chorar -
Agitam seus rabos em uma adúltera irascividade
E ronronam pedindo o fim dessa subjetividade.

O pequeno poema acima, escrito numa manhã depois de uma noite de insônia, e antes de outra, marca o fim. Um fim anunciado dezenas de vezes, mas que nunca ainda chegou. Até agora! E na placa no fim da estrada está escrito: "CHEGA DE POESIA!". Ela não é mais possível. E não há mais Rock também! Acabou a Poesia do Rock. Acabou o Rock da Poesia.  E se acabaram, acabo eu também. Não há mais motivos. Vou agir feito Rimbaud, embora um adolescente tardio, e virar mercenário. Alguém precisa de um mercenário? Estou à disposição. A venda. Mas apenas para pagamento a vista. Que a prazo a validade vence. A validade sempre vence. Sempre! A minha venceu. Deixo a esperança da poesia aos caprichosos e vaidosos, orgulhosos de seus títulos de nobreza. E atestados de pobreza. Eu? Fico com a tristeza. De viver num mundo onde a poesia não é mais possível. Intangível. In-crível. In-acreditável. Impalpável. Inaudível. Deixo a poesia aos mestres. Apenas a eles! Perpetuados nos livros amarelados, rotos. Lidos e relidos. E deixo que minha mente atormentada repouse. Pouse. O poeta está morto! Sofreu um aborto. Criminoso. Tendencioso. Foi vencido pela fome, pelo cansaço.   Chega de Rock na minha Poesia. Chega de Poesia no meu Rock. Mexeram no meu biscoito, no meu coito, no meu trinta-e-oito. Boliram meu Fuck'n'Roll. "To be a rock and not to roll" agora tem gosto de chumbo e não tem mais asas. Fechem as porteiras. Deixem os porcos atrás das cercas. Porcos não usam colares, nem podem voar. "Big man, pig man, ha ha charade you are." A Poesia não tem mais graça. Perdeu a desgraça. É só piada. Sem graça. Agora é estéril. Limpinha e ordinária. Prefiro as porcas às madonas. Ah, poetas não sabem dançar. Feito porcos. Em meu braço direito: "Rock In Poetry Fuck'n'Roll". Arranquem meu braço. Deem de comer aos cachorros. Meu rádio quebrou. Jogaram no chão. Pisotearam. Choro quando quero. Nunca quero. Porcos não escutam rádio. E eu não escuto guinchos de porcos.  Migalhas são para os pombos. Recolham suas migalhas e deem de comer a seus filhos. Estou farto de ser poeta. De ser pai e de ser filho. Farto de ser. Farto de estar. De ir e de voltar. De ficar. Parado na esquina esperando meu ônibus chegar. Nunca chegou. O ponto ficou lotado. Todos seguiram seus destinos. E eu esperando o meu. Não sei se esperando meu ônibus ou meu destino. O que chegar primeiro eu vou. Onde é o ponto final, perguntei ao cobrador. E ele disse: antes do fim da linha. Ônibus errado. Itinerário trocado. Sem dinheiro da passagem. Desça no próximo ponto, disse o motorista. Vá a pé! Vou até! A pé até. Até o fim. Do mundo. Sem poesia nas costas para carregar o caminho fica menos cansativo. Quer uma carona? Mas... Estou tão cansado... Tão... Estou farto! De poesia comunista. De poesia capitalista. De poesia anarquista. Quero a poesia egoísta. Narcisista. Onanista. E, por não dizer: maniqueísta. Chega de poesia de artista. Farto de poetas ideológicos, lógicos. Poetas que odeiam a poesia. E que a destrói prostituindo rimas, jogando no lixo a construção. Enfileiradores de palavras sem sentido e sem sentimento. A poesia não lhes pertence, poetas de cinco letras. Abortem! Defendam a morte, mostrem a bunda, lambuzem muros, comam merda, borrem as calças. Façam o que quiserem, mas não chamem de poesia. Ela não merece seus desaforos. Chamem de tudo. Até de puta. Mas não de poesia. O poeta chamou minha mãe de puta e eu lhe dei uma porrada! A mãe chamou a puta de poeta de poeta. E eu concordei. O poeta chamou a puta de mãe. E eu lhe dei uma porrada! Acabou! Fui!

30/09/2016 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeite o Direito do Autor e Não Esqueça de Deixar um Comentário. É Importante o Retorno, o Sentimento do Leitor.