Barata Cichetto: Escritor, Filósofo, Webdesigner, Editor Artesanal - Todos os Textos Publicados Têm Direitos Autorais Registrados no E.D.A. - Reprodução Proibida!
https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/91614/codigo-penal-decreto-lei-2848-40#art-184

segunda-feira, outubro 30, 2017

Modernoso Mundo Hodierno

Modernoso Mundo Hodierno
Barata Cichetto


Falam que sou estranho, por ser poeta e por ser otário
E eu nem sei o que é estanho, nem nunca fui a Ontário
Mas o tal artista underground de rua que toca roque
Chegou ontem a noite de Roma, Paris e Nova Iorque.

Eu que sou estranho, mas acha bacana ser poeta surreal
Afinal, a falta de grana é o que alimenta a literatura real
Fala que é legal ser fudido, sofrer com falta de dinheiro
Mas ontem comeu duas groupies na porta do banheiro.

O artista usa coturno sem ser militar, e acha bom meliante
E por ser um bom militante, acha que é um eterno mutante
Me chama de reacionário guardando no armário casaco
E eu abro a geladeira e só acho restos dentro de um saco.

Ainda ontem, passou por mim trajando uma enorme capa
Chegado da Europa, da exposição marginal sobre a Lapa
Se diz esquerda, usa coque de lenhador, sapato sem meia
É estrela da feira literária e grita palavrão na hora da ceia.

Fuma maconha, cheira cocaína e reclama do meu cigarro
Mas o meu imposto é o que paga o preço do seu escarro
Chama traficante de chefe e policial de bandido de farda
E nunca pensa que a justiça é coisa que falha e que tarda.

É artista underground que ama o Buarque e o Caetano
Mas baixou um milhão de musicas somente neste ano
É um escritor que nunca lê, mas publica sobre dificuldades
E faz palestras sobre literatura em auditórios de faculdades.

Usa camiseta de Che e ama Fidel, mas nunca foi a Havana
Brada contra a ditadura, mas acha legal sandália Havaiana
Compara o capitalismo com o socialismo por ser ignorante
E acha que a mulher branca nunca pode usar um turbante.

Anda com O Capital e um Ipod na mochila de pano encardido
Come sanduíche natural em publico e um Big Mac escondido
Depois compra spray no shopping e lambuza muros inocentes
Porque a sujeira é algo que interessa a seus lideres indecentes.

Defende o aborto como forma de liberdade e por pura vaidade
E ofende até a um morto que não concorde com a sua maldade
Deixa morrer o feto, defende sem teto, mas é incapaz de afeto
Mesmo que seja a um filho, um pai ou ao enteado de seu neto.

E eu que sou egoísta, deixei de mim para tratar do casamento
Sem saber que o futuro me guardaria apenas o esquecimento
Restando apenas lamentar o que não foi feito em outras eras
Quando crianças ainda não tinham se transformado em feras.

Enquanto ele, o artista independente, carrega estrelas no peito
E escarra em meu rosto por discordar das sandices do prefeito
Berra pelos cantos sobre aquilo que considera como igualdade
Acreditando em cotas e tudo que é segregação e desigualdade.

Berra seu direito na escada rolante, na fila e no banco do trem
Mas o direito é de quem conquista, não de quem acha que tem
E eu que sou estranho perante prisioneiros de ideologias tortas
Caminho sem perceber sobre um mar turvo de criaturas mortas.

29/07/2017



Também publicado em: https://www.meart.com.br/poesias/poesia-reflexiva-modernoso-mundo-hodierno/#comment-577
Em 29/10/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeite o Direito do Autor e Não Esqueça de Deixar um Comentário. É Importante o Retorno, o Sentimento do Leitor.